domingo, 17 de fevereiro de 2013

Títere

Portanto, só os pômulos são eternos. Em uma tradução de si mesmo, elencou suas vidas e os poucos ventos que sentiu. Aos primeiros, lá onde o Sol se cala, foram estrábicos. Depois, quem diria, um louco de juízo. Plágios e plágios. Moveu-se então.

Em sua pequena criação de viscachas fazia seu sustento. Criaturas adoráveis e muito apreciadas ao norte. Eram de fácil manejo e difícil sabedoria. Reunidas em poucos metros e cercadas em quadrados de lados desproporcionais reinavam durante noventa e um dias. Então, suas peles seguiam a qualquer prócer que pagasse mais.

Em dias de sal e saliva, sem memória ou futuro, fez-se personagem e autor. Perto das suas entranhas, aquelas que misturadas aos seus consensos e seus medos, chovia incessantemente granizo. Cortes de divina: explicar é descrer.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Fitzgerald's boots

Ao sul do rio Bravo, entre três mesetas e dois páramos, se podia ver as esquálidas faldas que condicionavam os olhares para a entrada da cidade. Suas artérias secas eram feitas de pedregulhos lapidados pela água e desgastados pelos passos apressados. Filas de mulas e burros, alguns carregadores e diversos famintos revestiam os acessos.

Na terra dos régulos, ladinos eram poucos. Fez-se alguma absolvição aos olhos dos menos afortunados e dos menores em idade. Aqueles poucos anões de pernas curtas e imensos ventres tocavam banjo para que os visitantes sorrissem e não mostrassem seus alforjes, assim em primeiro contato.

Eram raras as manhãs de domingo. Em geral, sacudiam até às duas da manhã de sábado e pela lei natural dos encontros outorgava-se à segunda-feira dois dias em uma semana. Prática corrente inventada pelo portador daquele diminuto pincenê. Antes, tivera seu crânio acariciado por um trépano. Ou coisa que o valha.