sábado, 17 de outubro de 2015

solau simulado

René Magritte - 1952 - La Chambre d'Écoute
óleo sobre tela - 45cm × 54,7 cm
Menil Collection - Houston - TX - EUA
Tenho uma imagem do tempo. Em cada unha pintada percebia um sol a menos. Como se o dial estivesse em única estação. Seus sorrisos álacres eram as minhas visões. Eram também a outras paredes que eles reverberavam e continuavam até não encontrarem seus pares. Cinco deles e o trabalho foi feito.

Todos os olhares, todas as orelhas vão em direção à televisão. Não o meu, porque, do contrário, perderíamos as gorjetas, que naquela bairro eram melhores que os rostos de quem as davam. Claro, serviríamos um pouco de água gelada antes de começarmos. Era o que chamávamos de beneplácito.

Deixávamos tudo limpo. Para que no dia seguinte, começássemos pontualmente. Uma vez fomos de férias e não pensamos em nada, só nos dias quentes. Quando retornamos dos dias de quase descanso, nos lugares das unhas, enxergávamos apenas um punhado de bochechas rosadas, e de costas.